"We are the champions, my friend", cantarolou Fidelix

IDADE MÉDIA - Após defender o fim da autonomia do aparelho excretor, o suserano Levy Fidelix exigiu ação imediata do Tribunal da Inquisição para conter a picardia da vassalagem. "Bruxa!", berrou, em falsete, apontando para Luciana Genro, enquanto acendia uma fogueira.

Em seguida, a candidata do PSOL lançou um desafio para o próximo debate. "Para mostrar que qualquer um tem o direito de exprimir a sexualidade que der na telha, usarei um portentoso bigode pintado de preto", anunciou, absoluta. "Desafio Dilma, Marina e o pastor Everaldo a fazerem o mesmo", completou.

"Tô pretérito!", reagiu Fidelix. Cabra macho temente a Deus, o suserano alterou seu status no Facebook para "Em um relacionamento sério com Silas Malafaia". Os mercados saíram do armário.

Fonte: The i-piauí Herald - Noticioso sem compromisso com a verdade

- 

sequestro brasília hotel terrorista

Sequestrador e vítima em hotel de Brasília. Armas e explosivo eram falsos

 

Sequestrador de Brasília foi contratado por Fidelix para desviar a atenção do seu discurso homofóbico

Depois do debate da Record, o mundo parou para falar mal de Levy Fidelix. Hitler parecia estar voltando, Mussolini vivo no Brasil, Médici se candidatando ao governo eram as imagens que vinham à cabeça de milhares e milhares de brasileiros. Porém, hoje à tarde, um sequestro em Brasiília tirou o foco do dublê do chefe dos Jetsons.

Segundo fontes que ainda não podem ser reveladas, o sequestrador foi contratado pelo próprio Levy Fidelix para chamar a atenção e tirá-lo do foco das atenções. Uma declaração hoje de Fidelix ao Sensacionalista deixou a coisa ainda muito mais suspeita: “Eu preferia mil vezes quando ninguém sabia sequer quem eu era, agora eu tenho votos, mas em compensação nunca imaginei que pudesse ser tão associado ao aparelho excretor assim!”

 - 

Levy-9

Cartório de SP se recusa a registrar menino como Levy Fidelix

O cartório de registro civil de pessoas naturais da Vila Brasilândia, em São Paulo, está sendo acusado de se recusar a registrar um menino como Levy Fidelix. A queixa foi feita pelo pai da criança, o auxiliar de serviços gerais Geraldo Pereira. Ele disse que não sabia que nome dar ao filho até assistir ao debate na Rede Record ontem à noite, onde o candidato Levy Fidelix criticou duramente os gays.

O bebê com os pais: futuro Levy?

 Geraldo afirma que até ontem não tinha candidato. “Me identifiquei com ele, ele disse o que muita gente pensa mas não tem coragem. Acho que para mim ele é uma espécie de herói”, disse Geraldo, com o apoio da mãe, a doméstica Marcele Pereira. Geraldo afirmou que vai procurar um outro cartório que aceite o nome.

A corregedoria de Justiça vai investigar a denúncia. O casal disse que já está planejando um novo filho. O nome da próxima criança já está escolhido: Adolf.

Fonte: